TERAPIAS

Moxabustão



A cura através do calor

Técnica que utiliza os princípios da Acupuntura é uma das soluções mais antigas da humanidade para combater as dores.

Origem:
A Acupuntura teve sua origem na China entre as tribos no período da Idade da Pedra. Nessa sociedade primitiva as pessoas viviam em cavernas úmidas e freqüentemente lutavam entre si e com animais selvagens e, como as dores eram resultantes lógicas da vida que eles levavam, instintivamente esfregavam e massageavam a área afetada para aliviá-las. Com o desenvolvimento da tecnologia foi moldado um instrumento pontudo de pedra bruta chamado Bian, que era usado para bater levemente e perfurar a pele em locais pré-determinados com o objetivo de tratar e sanar as dores.

A cauterização, da qual deriva-se a Moxa, foi um desenvolvimento que seguiu-se à descoberta do fogo. Considera-se que o aquecimento e a sensação de bem estar que o fogo propiciava à vida na caverna fria e úmida, assim como as curas fortuitas que ocasionalmente aconteciam ao toque de um carvão aceso ou pedaço de lenha em brasa, certamente foram os primórdios da cauterização.
O que distingue essas habilidades primitivas chinesa das de outros povos é a extensão de seu conseqüente desenvolvimento dentro da estrutura formal na tradicional fisiologia e patologia.
Quanto aos instrumentos da acupuntura, provenientes da agulha de pedra original, uma sucessão deles espelham a evolução da sociedade e tecnologia. As agulhas relativamente mais finas foram moldadas de ossos com a ajuda de ferramentas de pedra, estas eram usadas tanto na costura como no tratamento da Acupuntura. Havia também agulhas feitas de bambu. As agulhas de cerâmica foram introduzidas com o aparecimento desta técnica na cultura Yang Shao do período Neolítico tardio, um pouco posterior à 2000a.C.

O uso das agulhas de metal iniciou na Idade do Bronze durante a dinastia Shang, aproximadamente 1600 a.C., e cresceu com a introdução subseqüente do ferro. Durante os nefastos períodos de guerra (séc.Va.C.) progressos na metalurgia tornaram possível a manufatura de agulhas de aço de qualidade bem mais fina e leve. Atualmente, a maioria das agulhas de Acupuntura é confeccionada de aço inoxidável, cuja durabilidade e custo relativamente baixo tornam-na preferível a outros metais.

A cauterização e aquecimento da pele como método de cura usava, originalmente, ramos de arbustos e outros materiais combustíveis comuns. O uso da Moxa como principal substância de combustão data do ultimo período Chou em que, geralmente, utilizava-se o método da cauterização direta, aplicando a moxa diretamente sobre a pele. Num desenvolvimento posterior, o pó da Moxa seca passou a ser triturado e enrolado em forma de bastão ou charuto, para ser seguro em uma de suas pontas com a mão e acesa a outra extremidade a uma distância pequena da pele de modo a produzir calor suave. Este método ainda é o mais praticado.

Aplicações:
As funções terapêuticas tanto da Acupuntura quanto da Moxa resultam do estímulo de pontos especiais (pontos de Acupuntura) e canais de energia. O tratamento é capaz de atacar doenças de obstrução que incluem atrofia e bloqueio, regulando as funções dos órgãos com o fortalecimento da deficiência e dispersão do excesso. O efeito da Moxa é semelhante ao da Acupuntura, ambas agem estimulando os pontos para fortalecer a circulação de energia e sangue, sendo que a diferença primária é que a Acupuntura utiliza-se de agulhas e a Moxa de calor local.

Preparo:
As folhas frescas da planta são colhidas na primavera e expostas ao sol para secar, em seguida são trituradas, examinadas e filtradas para remoção de areia ou talos mais grosseiros, posteriormente, novamente postas ao sol. Esse processo é repetido até que se obtenha a consistência desejada que é de um pó fino, macio e branco. A Moxa que deve ser usada diretamente sobre a pele (método direto) deve ser extremamente fina, para que possa ser amassada e moldada com as mãos em minúsculos cones, firmes e que não se desfaçam, enquanto que para o uso indireto (sem encostar na pele) não precisa ser tão fina.

O uso do bastão ou cilindro de Moxa foi desenvolvido na Dinastia Ming como um método conveniente, com consumo menor de tempo e com controle maior do que outras formas de Moxa. Diferentemente dos outros métodos, a Moxa seca não é colocada diretamente na superfície da pele, nem é moldada em formato de pequenos cones, o pó é enrolado fortemente em um papel especial com cerca de 15 cm de comprimento.

*Getúlio Taigen é monge Zen Budista

(Extraido da internet)