EVOLUINDO

Comportamento


Os cinco passos para vencer a timidez

Se você é retraído para falar com o sexo oposto, receber elogios, negociar preços, conversar com autoridades ou falar ao telefone - saiba que isso é timidez. A timidez é um comportamento, é sinônimo de inibição. Ninguém nasce tímido, mas todos têm a possibilidade de desenvolver comportamentos tímidos. É interessante notar que uma mesma pessoa pode apresentar comportamentos inibidos em determinadas áreas de sua vida e desinibidos em outras. Isso está diretamente ligado à autoconfiança que temos em nossas capacidades de obter ou não resultados favoráveis em determinado ambiente.

A causa da timidez é o medo do desconhecido. Medo do que pode acontecer conosco no futuro. Por que será que o tímido tem medo do futuro? E por que ele tem dúvidas sobre a sua capacidade de ter sucesso e tem medo de fracassar e sofrer com isso?

Alguns tímidos questionam até a sua capacidade de manter o sucesso obtido e, para evitar riscos de fracasso e sofrimento, preferem nem tentar vencer. A timidez pode levar o indivíduo à apatia, a viver uma vida reclusa e ausente do ambiente. Quanto menos contato, melhor. O medo é um sentimento de defesa do nosso sistema orgânico e lógico. Ele está programado para nos proteger e garantir a nossa sobrevivência.

Existem três perspectivas de avaliação por meio das quais podemos perceber uma mesma situação de perigo: superavaliação do perigo; avaliação realística do perigo; subavaliação do perigo. O tímido tende a superavaliar o perigo, estando sujeito a ficar ansioso, cada vez que se depara com uma situação na qual ele duvida da sua capacidade de obter resultados e, portanto, sente um grande medo.

A pessoa autoconfiante é capaz de avaliar realisticamente as suas capacidades e o desafio a ser conquistado, e calmamente organizar suas estratégias de ação para obter o sucesso desejado. O corajoso é aquele que precisa provar a si mesmo e ao ambiente que não tem medo e pode ter sucesso. Ele busca poder e tende a subavaliar o perigo. Com freqüência, sua avaliação das condições reais de perigo são inconseqüentes, porque ele baseia a sua confiança pessoal na emoção da coragem e não em fatos como faz o autoconfiante.

O que irá determinar a perspectiva a ser adotada são os critérios (valores) escolhidos para fazer tal avaliação. Para o tímido, uma reavaliação destes critérios é fundamental para construir sua autoconfiança. A timidez pode levar a pessoa a ficar insegura a sentir medo de tomar decisões erradas ou sentir vergonha de quase tudo por dar muita importância para o que os outros pensam dele.

Alguns tímidos duvidam até da sua capacidade de manter o sucesso já obtido. Para evitar o risco, não tentam vencer.

Um tímido pode transformar-se em desinibido se estiver disposto a mudar. Para isto ele precisa desenvolver um programa estruturado de mudanças. Ele pode seguir os cinco passos abaixo:

1.Descobrir qual é o medo que está por trás da timidez;

2.Encontrar a causa do medo;

3.Verificar qual é a perspectiva utilizada para avaliar a situação externa e determinar, realisticamente, qual é o grau de perigo real;

4.Estudar a estrutura da estratégia inibida e buscar recursos para modificá-la;

5.Se ele ainda assim se sentir tímido para desenvolver este processo de investigação e mudanças, procurar ajuda de um especialista é o caminho indicado.

Lembre-se que você merece o melhor. Merece viver um dia-a-dia produtivo e com muita qualidade de vida. Você pode mudar e ser como você quiser, a decisão é sua.

(Fonte:)*SUSAN LEIBIG MARTINS, especialista em Lógica Estruturada do Pensamento Humano, Ética e Programação Neurolingüística.