RISOTERAPIA

Boletim de Ocorrência

vovosSexagenária entra na Delegacia de Polícia. Após meia hora de espera, o escrivão a atende.
-Pois não, senhora?
-Boa tarde. Vim dar parte.
-Uma queixa, hein? Contra quem?
-Queixa? Contra ninguém. Vim registrar um elogio.
- Elogio?
-é. Um elogio para a professora do meu neto. Ela não faltou um dia no último semestre. Queria deixar registrado meu reconhecimento pela assiduidade dela.
- Infelizmente não vou poder ajudá-la, senhora. Não registramos elogios. Só temos formulário para assassinato, estelionato, atentado violento ao pudor, estupro, furto, roubo, perturbação da ordem pública, contravenção, agressão doméstica, essas coisas... Elogio, não.
-Quer dizer que vocês só se ocupam da desgraça alheia? Não têm aí nenhum meio de destacar os cidadãos de bem?
-Não, senhora. Não temos tempo para as pessoas de bem.
-é uma pena.
-é o sistema, senhora.
-Uma pena mesmo...
-Por quê, senhora?
-Eu ia registrar um elogio para vocês também.
-Para nós, senhora? Como assim?
-Notei que pintaram o prédio por fora. E colocaram um jardinzinho na entrada. Ficou muito simpático. Está tudo muito limpinho. Nem parece uma Delegacia.
-Bem, neste caso, senhora, pode preencher esse formulário aqui para a Ouvidoria...